quarta-feira, julho 14, 2010

Onde eu guardei a fé

Queria poder pintar as cores dos meus sentimentos hoje eles estariam laranjas, levemente avermelhados, teriam as cores do sono do sol, daquelas combinações raras que só são vistas uma vez.
Amanheci querendo ser pintor, querendo dar molduras ao meu amanhecer, então resolvi abrir-me, fui até onde guardei a minha fé e lá estava ele, meu amigo pintor, meu amigo rei, tão conhecedor e hábil, tão generoso sol, me oferecendo meu quadro sonhado, minha realidade pintada, tão fiel retratada em seu acordar.

Um comentário:

Com Ou Sem Senso disse...

Muito bonito o texto.


Abraço!