domingo, junho 20, 2010

Eu e o Pântano

Estou a salvo, cheguei até a margem depois de tanto esforço pra ficar,
Meus remos insistiam naquele pântano gélido, inexpressivo...
era questão de tempo para minhas atividades funcionais dissiparem,
meu erro foi fazer da minha coragem barco a motor, sorte a minha, quando não se conhece a margem o pântano traz uma beleza triste, estática e cômoda,
hoje ele é tão mais belo sem mim.
Estou a salvo, como é bom conhecer cada pedacinho dessa margem, dessa luz...
Abandonei os remos...

Ilustração:Valmir Santos

Um comentário:

Com Ou Sem Senso disse...

Ainda bem que está aí para nos escrever!

Abraço